Quando há já quase 9 anos idealizei o D'Barriga, este foi dos temas que considerei mais importante de abordar. À época, fui ouvir sexólogos e profissionais de saúde, pois considerava-me perfeitamente capaz de abordar esta temática.

 

Quase 9 anos volvidos, esta é a primeira vez que abordo formalmente este tema......Porquê?

 

Uma das razões é porque sempre que partilho com alguma das minhas excecionais colaboradoras - parteiras - que quero abordar este tema, a atitude é a de "atenção, há uma parte clínica muito importante que não é da tua alçada"...."atenção, os casais precisam de informações precisas e objectivas!"

  

E isto acabou por me conter relativamente à abordagem que considero fundamental e que agora partilho convosco, com a promessa de em breve vos apresentar um outro artigo, rigorosíssimo, no que às questões clínicas diz respeito.

 

Uma das primeiras observações que convosco partilho é que raro é o casal que de forma autónoma aborda ou assume alguma questão deste foro - embora, sempre que esse tema é abordado informalmente por alguma das nossas parteiras em contexto aula, os seus radares ficam bem alerta e a atenção redobra....

  

A sexualidade continua, estranhamente, a ser uma temática repleta de tabus, mesmo depois do fabuloso Dr.Júlio Machado Vaz ter transformado a sexualidade em pura poesia, mesmo depois do Viagra e da maleta vermelha.....ora, na gravidez não é diferente.....

 

Temos sempre que falar em sexualidade como algo que vai muito além da penetração - pois é redutor de outra forma, e muito em particular neste contexto. Logo, mesmo que no que à penetração diz respeito tenhamos que fazer "adaptações" - bem hajam! diria eu .....continuamos a ter um mundo sensorial no outro e em nós mesmos para explorar.

 

E que melhor momento? A gravidez tem a extraordinária capacidade de transformar o corpo da mulher de forma diária e ao longo de 40 semanas! Descubram-no e desfrutem-no. Afinal, a pele é o mais extenso órgão do corpo. UAU!

  

E, se a gravidez transforma o corpo da mulher, transforma também o seu modo de sentir, transforma a sua forma de se relacionar com os outros....e com o parceiro não é excepção.

  

E o homem, não está também ele "grávido" e a passar por alterações emocionais? Está com toda a certeza....e é assim que tem que ser......e então? como é que a sexualidade fica no meio disto tudo?

  

A lista de "a ter em atenção" é curta:

 

- COMUNIQUEM! Sempre que trasnmitimos ao outro o que nos vai na lama corremos o risco de não ser compreendidos....esta é uma permissa da comunicação; mas é igualmente verdade que se não comunicarmos não arriscamos ser compreendidos!

 

Bom, a escolha é, como sempre, de cada um, mas atrevo-me a dizer que "no comunicar é que está o ganho".

 

E, no que observo no meu dia a dia com as famílias, não são as questões clínicas que levantam mais questões, mas antes as relacionais....num calado receio de melindrar o outro que encerra no silêncio belos momentos de amor vividos apenas na mente de cada um, sozinho.....

 

COMUNIQUEM.....POR FAVOR!

  

- APROVEITEM! o facto de estarem grávidos, com as alterações corporais e emocionais inerentes, para estimular a criatividade em busca de uma posição mais cómoda ou um local mais confortável. Aproveitem todas as situações que quando da chegada do rebento se poderão tornar menos frequentes/fáceis.

  

Mimem-se, redescubram-se, namorem, dialoguem e.....até ao pós-parto!

 

Pós-parto:

 

- Releiam as dicas que deixei para o período da gravidez, a saber: COMUNIQUEM, SEJAM CRIATIVOS e...não se esqueçam que não estão sozinhos.

  

Talvez deixar o bebé com os avós umas horas para uma ida ao cinema ou um simples jantar a dois faça maravilhas na relação.

 

Lembrem-se: quando nasce um bebé, nasce também uma mãe e um pai....e já se olharam com esses novos olhos? Apresentem-se, cortejem-se, namorem-se e enamorem-se..........