plustest

 

Ultimamente quando falamos do tema de segurança nas cadeiras auto, há cada vez mais referência ao Plus Teste.

Recentemente veio do Norte da Europa a notícia da aplicação deste novo Teste nas cadeiras para crianças. Este padrão complementa a legislação em vigor e é um grande avanço em benefícios de segurança nos sistemas de retenção automóvel. Nestas linhas pretendemos explicar porquê.

Os países nórdicos têm sido historicamente, os que têm estado na vanguarda de sistemas de protecção infantil nos automóveis. Nesses países foram tradicionalmente incorporadas restrições na instalação de sistemas no sentido da marcha, tendo sido demonstrado em vários testes ser muito mais eficiente e seguro do que aqueles usados a favor da marcha.

 

 

Em meados dos anos 70 aplicava-se na Suécia um regulamento exigente denominado por T-Test. Este teste era extremamente restritivo na regulamentação das cadeiras auto e muito exigente quanto às cadeiras que efectivamente podiam ser comercializadas no mercado sueco.

 

 

Já em 2005, a fim de uniformizar a política comercial e industrial entre os países integrantes da Comunidade Europeia entra em vigor um regulamento comum, a ECE-R44/04. Esta regra aplica-se de maneira uniforme a todos os sistemas de retenção infantil que se comercializam dentro da União e os diferentes países que a integram devem adoptá-la. Nos finais de Junho de 2006 a nova regra faria parte de um padrão que seria obrigatório a todos os fabricantes.

 

 

 

A necessidade de adequar a ECE-R44/04 a países e a situações socioeconómicas e industriais diferentes colocou os requisitos de segurança abaixo dos testes nórdicos. O resultado foi uma regra muito pouco exigente, que omite provas importantes, resultando em muitas críticas por distintas organizações de segurança, consumidores e organismos especializados.

 

 

Esta situação faz com que distintos organismos suecos, entre eles o VTI-Swedish National Road and Transport Safety e o NTF-National Society of Road Safety, associados ao fabricante de automóveis Volvo e a SIS-Instituto Sueco de Normalização- comece em 2009 o estudo e desenvolvimento de um novo sistema de teste, a que chamam de Plus Teste.

 

 

Liderado desde o início por engenheiros altamente qualificados e utilizando métodos de ensaio e análises de última geração, o desenvolvimento deste novo teste baseou-se numa análise precisa e detalhada das tensões produzidas durante o impacto. Isto permitiu medir e quantificar com grande precisão as variáveis envolvidas em vários casos, dependendo do tipo de impacto, definindo novas margens de segurança para os produtos.

 

 

O Teste mais exigente actualmente.

 

O logotipo do Plus Teste é cada vez mais solicitado.

 

O Plus Teste submete a cadeira a um conjunto de testes e esforços distintos que têm em conta o ECE-R44/04 mas notavelmente mais rigorosos, o que torna este o teste mais exigente na actualidade.

 

 

Este teste é de realização voluntária entre os fabricantes e pela sua exigência, até ao momento não existe nenhum dispositivo de montagem instalação virado para a frente que o tenha superado.

 

 

Essencialmente, existem dois factores que marcam a diferença: o primeiro é ter um teste de colisão mais exigente. Seguindo o regulamento Europeu, também se realizam a 50km/h, mas com um abrandamento de 38g em vez dos 28g, como apresenta o padrão vigente. Isto porque se tem em conta a distância percorrida até que o carro pára.

 

 

O segundo factor, e o mais importante, é a medição precisa da carga cervical, isto é: a força que suporta a área do pescoço e ombros, no momento do impacto.

 

 

Com base nas estatísticas, as lesões na zona cervical é, infelizmente, muito frequente em acidentes e está provado que um menino com menos de três anos não pode suportar um esforço cervical superior a 130Kg. O Plus Teste utiliza um manequim para representar um menino desta idade e estabelece o limite permitido a este esforço nos 122Kg.

 

 

 

A característica mais importante deste exigente teste sueco é que mede com grande precisão as cargas a nível cervical que se produzem durante o impacto. Existe um limite de 122Kg para uma criança de 3 anos.

 

 

 

Perante este teste, todas as cadeiras que se colocam no sentido da marcha – aquelas em que a criança fica presa pelo cinto de segurança da própria cadeira - ficam muito em desvantagem. Devido à posição da cara voltada para a frente, no momento do impacto, as cargas cervicais chegam a ser superiores a 280Kg, muito acima dos 122Kg, estabelecidos como um máximo.

 

 

No caso das cadeiras viradas para a frente com sistema de retenção frontal, embora melhorem um pouco os resultados, não chegam ao nível esperado. O peso no pescoço mantém-se na ordem dos 200Kg, ainda muito superior aos 122Kg estipulados como máximo. (Curioso, demonstra que a pesar de não passarem os testes, as cadeiras com almofada frontal são efectivamente mais seguras, pelo menos neste teste)

 

 

Nas cadeiras que se colocam voltadas contra a marcha, como já se demonstrou em testes anteriores, o peso suportado pelo pescoço e ombros é menor. Isto faz com que a inércia do impacto impulsione o corpo da criança no interior da cadeira, dissipando a energia numa grande superfície acolchoada. No geral, por esta razão, o peso na zona cervical não ultrapassa os 50Kg, mantendo-se dentro das margens de segurança.

 

 

Isto faz com que várias cadeiras que se utilizam no sentido contrário da marcha tenham superado o teste com êxito. Entre elas destaca-se a cadeira Axkid Minikid, um modelo recente de um fabricante sueco.

 

 

Convém salientar que algumas cadeiras com excelentes níveis de protecção não superaram o teste somente por estarem desenhadas para permitir o uso também no sentido da marcha. É o caso das Axkid Kidzone e Kidzofix ou das BeSafe iZi Combi X3. Estas cadeiras superariam o Plus Teste desde que montadas apenas no sentido oposto à marcha. Como utilizador, se a intenção é utilizar algumas destas cadeiras somente no sentido oposto à marcha, pode ficar descansado pois a segurança é idêntica às que possuem o selo Plus Teste.

 

 

Poderá ver descrições de todas estas cadeiras na secção Contra a Marcha na nossa loja, onde poderá conhecer em detalhe as características de cada uma delas.

 

 

A Importância do Selo Plus Teste

 

Este teste é, até ao momento, voluntário por parte dos fabricantes. Mantém-se opcional e complementa o regulamento em vigor, a ECE-R44/04.

Mas pouco a pouco quem está mais preocupado em oferecer produtos de segurança máxima - e os pais que desejam tranquilidade e garantia de segurança máxima para os seus filhos - estão interessados em que a cadeira possua o selo de superação ao Plus Test sueco.

 

 

Depois de ler o artigo, o que pensas dele?

Decidirias a compra baseada nas que possuíssem o selo Plus Teste?

Espero pelo teu feedback.