História para crianças - Pegadas de Gaivota

 

 

PEGADAS DE GAIVOTA - Histórinhas D' Embalar #23

 

Em época de praia...um outro olhar sobre o areal....

 

Era uma vez uma gaivota na praia. Sozinha. Não havia banhistas, porque ainda não era o tempo deles.

 

Nas praias desertas, antes do Verão, a areia muito lisa até parece passada a ferro. Sem uma única ruga. Sem um único sinal de vida.

 

Nisto pensava a gaivota, enquanto se entretinha, saltinho sobre saltinho, a imprimir na areia as suas pegadas de gaivota nova.

 

Três dedos espetados para a frente e zás! “Eu estive aqui. E aqui. E aqui.”

 

Atrás da gaivota, o rasto dos seus passos.

 

Mais logo, as ondas do mar, na maré cheia, apagariam a passagem da gaivota por aquela praia sem ninguém. Mas, até lá, muita coisa iria suceder.

 

Chegada à beira de um rochedo, a gaivota virou-se para trás e contemplou o caminho que fizera pela praia toda. Suspirou.

 

Pois é. As gaivotas também suspiram. Suspiram de tristeza, quando estão sós. A gaivota virou-se para a frente, para continuar o seu passeio descuidado, quando sentiu um baque de susto. Não que tivesse visto um bicho, mas viu, na areia molhada à sua frente, a marca de outras pegadas iguais às dela. Os mesmos três dedos espetados para a frente. Tal e qual.

 

Esvoaçou. Mediu de cima o terreno em volta e foi então que deu com outra gaivota, aninhada atrás de uma rocha. Era uma fêmea. E ela, a gaivota da nossa história, era um macho.

 

Já não estava sozinha. Já não estavam sozinhas. Entraram à fala uma com a outra. Falaram do mar, das ondas, dos peixes e da friagem da noite quando, sem o calor de outras penas, se abrigavam numa fenda da falésia.

 

O resto não tem conto. Adivinha-se. Estavam feitas uma para a outra, como se costuma dizer.

 

Desconfio que, antes de chegar o Verão, outras patinhas novas, mais pequenas, vão povoar aquelas areias. Cada vez há mais gaivotas.

 

 António Torrado