O sapo Apaixonado

 

O Sapo Apaixonado - Histórinhas D' Embalar #40

 

O sapo estava sentado à beira do rio. Sentia-se esquisito. Não sabia se estava contente ou se estava triste.

Toda a semana tinha andado como que a sonhar. Que é que teria?

Então encontrou o Porquinho.

- Olá, Sapo – disse o Porquinho. - Não estás com muito bom ar. Que é que tens?

- Não sei - disse o Sapo. – Tenho vontade de rir e de chorar ao mesmo tempo. E aqui dentro de mim tenho uma coisa que faz tum-tum.

- Talvez estejas constipado – disse o Porquinho. – É melhor ires para casa.

- O Sapo continuou o seu caminho.

Estava preocupado.

Depois passou por casa da Lebre.

-Lebre – disse ele –, não me sinto bem, umas vezes fico com calor e outras vezes fico com frio. E aqui dentro de mim tenho uma coisa que faz tum-tum.

- Já sei. É o teu coração. O meu também faz tum-tum – disse a Lebre.

- Mas o meu às vezes faz tum-tum mais depressa do que de costume - disse o Sapo. Faz um-dois, um-dois, um-dois.

- Ah! - disse ela. - Ora ouve. Coração a bater acelerado, ataques de calor e de frio…quer dizer que estás apaixonado!

- Apaixonado?! – admirou-se o Sapo. – Será isso o que eu sinto pela Patinha Branca?...

 

Max Veithuijs, O Sapo Apaixonado