+351 220 120 945

Bem-vindo(a)!

O RATO RENATO PORTA-SE MAL

segunda-feira, 25 de Setembro de 2017 01:52:53 Europe/Lisbon

História para crianças - O rato Renato porta-se mal

 

 

No segundo Domingo de Abril, trazemos-lhe a Histórinha do RATO RENATO que se porta mal!

BOA LEITURA!

 

- - 

 

O RATO RENATO PORTA-SE MAL!  - Histórinhas D' Embalar #10

 

É uma história baseada numa ideia de ANDREA DAMI

O Renato é um bom ratinho, mas esta manhã acordou muito mal desposto.

- Veste-te, Renato. – Disse a mama depois do pequeno almoço.

- Veste a camisola das flores, que é quentinha, porque daqui a pouco vamos sair.

- Não quero! Eu gosto desta t-shirt! – Exclama o Renato.

- Tu é que sabes, mas olha que vais ter frio e vais ter de correr para te manteres quente – explica a mama. – e não te esqueças de guardar os brinquedos antes de sairmos – lembra ainda a mama. – Não fui eu que desarrumei isto, foi o ursinho Tonecas! E eu gosto dos brinquedos aqui no chão. Assim, é mais fácil encontra-los – responde o Renato.

Entretanto, o Renato e a mama saem para dar um passeio, mas o ratito continua a portar-se mal…

- Mama, compras-me um brinquedo! – Pede o Renato.

- Eu até podia comprar-te um, se tivesses o teu quarto um bocadinho mais arrumado – Responde a mama. – Mas tu já tens tantos brinquedos…

- Eu aquele patinho de borracha – insiste o Renato.

- Não se diz: “ eu quero” – repreende-o a mama – que é muito feio.

O Renato convence a mama a deixa-lo dar uma volta no carrocel. Mas, claro, uma volta não é suficiente!

- Anda, Renato, desce dai, agora temos de ir embora.

Já deste cinco voltas! Os teus amigos portam-se muito melhor do que tu.

O Renato cruza os braços e torce o nariz, dizendo:

- Só mais uma volta! Ainda não quero ir embora! Quero dar uma volta no porquinho!

- Gelados! Quero um grande gelado de baunilha! – Grita o Renato, puxando pela mama, mas desta vez ela não sede.

- Agora não são horas de comer um gelado, filho. Daqui a pouco vamos para casa comer uma sopinha de cenoura, que já são quase horas do jantar – responde ela, muito calmamente.

 

- Queres jogar á bola? – Perguntam os amigos do Renato. – A bola é minha só eu é que vou jogar com ela – Responde o ratito, agarrando a bola com firmeza.

Os seus amigos acabam por se irem embora. Mas, depois, o Renato constata que não é muito divertido jogar sozinho.

- Vamos, Filho, já são horas de irmos embora! – Diz a mama, que está pronta para ir para casa.

- Não quero ir a pé – Resmunga o Renato. – Leva-me ao colo.

O ratinho finca as patinhas no chão e a mama tem que o arrastar.

- Não, Filho, agora não! – Diz a mama, já a perder a paciência. – Andar a pé faz-te bem. Eu estou cansada e tu estás muito pesado do gelado que comeste.

- Não vou para casa! O ursinho Tonecas e eu queremos ficar aqui! – Grita o Renato ficando para trás.

- Não digas asneiras; Daqui a pouco começa arrefecer e a escurecer e o papa está á nossa espera. E eu ainda tenho de fazer o jantar – explica a mama.

-Não! Não! Não vou para casa! – Grita o ratito. E foge da mama, agarrado ao ursinho Tonecas.

- Renato, onde estas? Vem já aqui! – Chama a mama, uma, duas, três, quatro vezes. – Tu portaste muito mal! – Continua a mama. – Eu já me vou embora e se tu não apareceres imediatamente, ficas aqui sozinho!

- Mas o ratinho está escondido atrás dos arbustos e não diz nada e nem aparece á mama.

A mama foi-se embora e já é de noite. Finalmente, o Rato Renato sai do seu esconderijo.

“ Está tão escuro! E que barrulhos esquisitos são estes? Que frio! Tenho medo!”, pensa o ratito.

No escuro, parecem haver milhares de olhos a observa-lo.

- Mama! Ajuda-me! Onde estás? – Chama ele.

Por fim, aparecem a mama e o papa do Renato iluminados por uma candeia. Encontram o ratinho a chorar, cheio de frio e muito assustado.

- Cá estás tu, finalmente! – Exclamam eles de alívio, abraçando-o com força.

- Nunca mais me vou portar mal! – Promete o ratinho.

- Daqui em diante vou ser um ratinho muito bem comportado. Vou arrumar o meu quarto, não vou comer muitos doces, não vou dizer mais “ eu quero” e vou partilhar os brinquedos com os meus amigos. E, acima de tudo, nunca mais vou fugir!

 

Haver vamos se ele será capaz de cumprir estas promessas! FIM!

 

Carinhosamente,

A equipa D'BARRIGA.

  - - 

 

DICAS PARA PAIS

Há várias formas de criar uma sensação de segurança no seu filho:

- Oferecer um boneco mágico, uma lanterna mágica (para quem tem medo do escuro) e até “pós mágicos” para deitar antes de dormir (um saco com purpurinas faz milagres).

- Fazer pequenos teatros durante o dia em que os personagens passem por situações parecidas com as que o seu filho verbaliza e se saiam bem.

- Pedir ajuda ao seu filho para pequenas tarefas e agradecer-lhe, dizendo que é forte e crescido. 

 

 

Adicionado em Histórinhas d' Embalar por

Joana Freitas

Comentários

Você precisa estar logado para postar um comentário

clique aqui para logar

Partilhar