+351 220 120 945

Bem-vindo(a)!

O GUARDA-REDES

segunda-feira, 25 de Setembro de 2017 01:51:12 Europe/Lisbon

História para crianças - O Guarda-Redes

 

 

Em Domingo de emoções de Futebol, nada melhor do que a Histórinha do GUARDA-REDES para sonhar com muitas Vitórias.

BOA LEITURA!

 

- - 

 

O GUARDA-REDES!  - Histórinhas D' Embalar #15

 

Era um guarda-redes muito medroso. Quanto mais medo tinha, à frente da baliza, mais bolas deixava entrar.

- Este guarda-redes não presta para nada. É um frangueiro, e a baliza, que ele devia guardar, uma capoeira – disse o treinador. – Não o quero na equipa, nem para suplente do suplente do suplente. Fora com ele!

E o Guarda-redes medroso foi despedido. Que havia ele de fazer? Como Já estava habituado a guardar, embora mal, foi para guarda-portão, ou porteiro, de um banco. Podia ser pior, sei lá: Guarda-loiça, guarda-vestidos, guarda-vento…

Mas não teve êxito, no novo emprego. Ganhou tanto medo de que o banco, um dia, pudesse ser assaltado e ele responsabilizado por não ter feito frente aos assaltantes, que passava o tempo a tremer.

- Está com febre ou está com medo? – Perguntou-lhe o director do banco. – Em qualquer dos casos, a sua fraca presença à porta não dá segurança aos depositantes, Vá para casa!

E o guarda-portão, que tinha sido guarda-redes, foi despedido. Que havia ele de fazer? Como já estava habituado a guardar, embora mal, foi para guarda-freio, que é o nome que dão aos condutores dos carros-eléctricos.

Podia ser pior, sei lá: guarda-comidas, guarda-jóias, guarda-chuva…

Mas foi um fiasco. Tinha tanto medo de que o carro-eléctrico, nas curvas, derrapasse e descarrilasse, que nunca conseguia sair do mesmo sítio. Os passageiros protestavam, os outros carros-eléctrico, que vinham atrás, tilintavam e todo o trânsito, interrompido, empanturrado de automóveis e de autocarros, apitava, buzinava, trombeteava, num desespero.

- Saia do seu lugar, sua azémola, que é para não dizer cavalgadura! – Berrou-lhe aos ouvidos um polícia, tomando conta da ocorrência  e dos freios do carro-eléctrico. – Saia e nunca mais volte a pôr os pés num transporte público. Só não lhe digo “Ponha-se na rua”, porque você nunca devia ter saído de casa.

E o guarda-freio, que tinha sido guarda-portão e guarda-redes, foi despedido. Que havia ele de fazer? Como estava habituado a guardar, com os resultados que se sabe, foi para guardar florestal. Podia ser pior, sei lá: guarda-roupa, guarda-sol, guarda-lamas…

A princípio, todo aquele isolamento, no meio da floresta, aterrorizava-o.

Qualquer bicada de pica-pau num tronco, qualquer esvoaçar de melro ao cimo das árvores, e o guarda florestal ficava com os cabelos em pé, que até o boné lhe subia uns centímetros acima da testa. Sem exagero.

Um dia, sabe-se lá porquê, desencadeou-se um fogo na floresta que o guarda florestal guardava. Quando o sentiu e quando o viu crescer em labaredas altas, o guarda florestal apanhou um susto que desatou a correr, a correr, a correr, que só parou de encontro ao muro do fundo do quartel dos bombeiros, porque já não havia mais chão para correr.

- Fofo! Fogo! – Tentava ele gritar, sem fôlego.

Os bombeiros acudiram e o fogo foi apagado a tempo.

- Se o guarda florestal não tivesse vindo avisar com urgência, se ele não tivesse sido tão rápido, se não fosse a sua energia e o seu destemor, tinha acontecido uma grande desgraça! – Comentou o chefe dos bombeiros.

Elogiado, homenageado, condecorado, o guarda florestal sentia-se outro.

Nunca mais teve medo de andar, sozinho, na floresta. Ele tinha sido um valente guarda florestal, toda a gente o dizia e ele próprio também achava.

Tanto assim que está a pensar mudar de profissão. Hesita. Ser guarda-noturno tenta-o. Ou guarda-costas. Ou guarda republicano. Até, talvez, um dia, experimente, de novo, o lugar de guarda-redes. Já nada lhe mete medo.

 

 

Carinhosamente,

A equipa D'BARRIGA.

  - - 

 

DICAS PARA PAIS

Há várias formas de criar uma sensação de segurança no seu filho:

- Oferecer um boneco mágico, uma lanterna mágica (para quem tem medo do escuro) e até “pós mágicos” para deitar antes de dormir (um saco com purpurinas faz milagres).

- Fazer pequenos teatros durante o dia em que os personagens passem por situações parecidas com as que o seu filho verbaliza e se saiam bem.

- Pedir ajuda ao seu filho para pequenas tarefas e agradecer-lhe, dizendo que é forte e crescido. 

 

 

Adicionado em Histórinhas d' Embalar por

Joana Freitas

Comentários

Você precisa estar logado para postar um comentário

clique aqui para logar

Partilhar