A maternidade é um dos temas mais envoltos em mitos, mistérios e tabus, fruto de crenças que vêm do passado, de troca de experiências, e que servem apenas para assustar, ainda mais, as futuras mães.

 

O obstetra é a pessoa mais indicada a quem recorrer em caso de dúvidas, não devendo deixar que a "sabedoria popular" a assuste, se na realidade não tiver razão para isso. Ainda assim, de seguida poderá desmistificar alguns desses mitos, e ter algumas respostas e explicações do ponto de vista científico.

 

"Barriga redonda - menina, barriga bicuda - menino"

 

"A grávida tem de comer por dois"

 

"A azia da grávida deve-se ao cabelo do bebé"

 

"Se não se satisfaz um desejo, o bebé nasce com manchas na pele"

 

"Barriga redonda - menina, barriga bicuda - menino"

 

Este ainda é um dos mitos mais ouvidos entre tias e avós, que apenas de olhar para a barriga, conseguem descodificar o sexo do bebé.

 

No entanto, a forma da barriga depende unicamente de dois factores que em nada estão relacionados com o sexo: a posição do bebé no útero da mãe, e o próprio corpo da mulher.

 

O formato da barriga segue a formação física da mãe e depende de factores como a musculatura abdominal, além da posição em que o bebé se encontra.

 

"Se não se satisfaz um desejo, o bebé nasce com manchas na pele" Esta crença em nada corresponde à realidade. Cerca de 10% dos bebés nascem com manchas na pele, que não são mais do que alterações do vasos sanguíneos e que normalmente desaparecem de forma espontânea e em pouco tempo.

 

São congénitas e em nada estão relacionadas com aquele alimento que não se comeu durante a gravidez.

 

"A azia da grávida deve-se ao cabelo do bebé" O motivo pelo qual muitas grávidas sofrem de azia, deve-se à compressão que é exercida sobre o útero e que provoca uma deslocação do estômago, além de um aumento do suco gástrico.

 

Ao ascender pelo esófago, o suco gástrico provoca essa frequente e desagradável sensação de acidez.

 

Esta situação pode ocorrer por volta da 30ª semana que é a altura em que se começa a formar o cabelo do bebé. Mas trata-se apenas de uma coincidência.

 

O bebé está dentro do útero, completamente isolado do estômago e do esófago, pelo que a azia não está minimamente relacionada com o cabelo do mesmo.

 

"A grávida tem de comer por dois" A alimentação da grávida é um dos temas sobre o qual toda a gente gosta de dar opinião.

 

Está completamente errado que a mãe tenha de comer o dobro do que comia habitualmente.

 

Naturalmente, a grávida necessita de um incremento calórico e uma alimentação equilibrada, da qual provenham os nutrientes básicos para o bom desenvolvimento do bebé.

 

O que se deve fazer é comer melhor.

 

O facto de comer o dobro durante a gravidez, não garante que esteja a comer em qualidade, e originará um aumento de peso desnecessário, que poderá originar problemas com a hipertensão arterial ou diabetes, por exemplo.