Quando iniciei este blog pretendia que numa fase inicial houvesse uma certa sequência de posts que fosse, por um lado, permitindo que partilhasse a minha experiência, aprendizagens e motivações, por outro fosse trazendo questões e lançando o debate sobre o que cada uma de vós pensa.

 

São 22h30, o meu marido trabalha no pc, a minha filha dorme e eu ouço música lá fora e leio um blog… um blog de outra mãe que, tal como eu, partilha as suas experiências.

 

Neste post, leio sobre como dar o leite ao bebé – quente, frio, aos bocados… leio os comentários postados ao referido artigo… e sorrio!

 

Tantas vezes as mães do D’Barriga me ouvem dizer: “Se estiver a agir por instinto certamente está a agir bem!… depois de 15 dias ninguém conhece melhor o bebé do que a mãe!… São vocês que me vão dizer quais os hábitos do vosso bebé. Ele é vosso.”.

 

Mas será estranho que um bebé goste do leite mais quente e outro mais frio? Será que todas as mães gostam do arroz da mesma forma??? Porque é que queremos que os bebés sejam todos iguais, com os mesmos horários, gostos e velocidade de ganho de peso quando somos todos adultos diferentes?

 

Tantas vezes as mães do D’Barriga me ouvem dizer: “E se fosse um adulto? Tinha que arrotar sempre? Comeria sempre a mesma quantidade? Faria sempre o mesmo intervalo entre refeições?”.

 

É tempo de descomplicarmos e darmos espaço à individualidade de cada bebé! Leite quente bebe? Óptimo! É a SUA verdade. Só bebe leite à temperatura ambiente? Melhor ainda! Menos logística! Já experimentou de ambas as formas e não funcionou? Não quer leite? Então fale com o pediatra… mas estou certa de que não virá mal ao mundo… afinal há tantas crianças que adorariam o leite e apesar de não terem acesso a ele sobrevivem bem!

 

É bom sermos mães dedicadas, interessadas e até preocupadas com os nossos rebentos… desde que essa atitude não seja impeditiva de podermos desfrutar do dia a dia com os nosso bebés! Cada um é irrecuperável e importantíssimo na construção das suas identidades.

 

Acredito que não dramatizaríamos tanto o assunto se em vez de leite o bebé não quisesse comer bróculos! Lembrem-se: CALMA! E as coisas têm a importância que nós lhes damos.

Vivam! Mimem! Conheçam! Observem e orientem os vossos bebés!